sábado, 28 de fevereiro de 2015

DILMA: LEVY FOI 'INFELIZ' EM FALA SOBRE DESONERAÇÃO

A presidente Dilma Rousseff rebateu as declarações do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, sobre a desoneração da folha de pagamento.
"Essa brincadeira [desoneração da folha] nos custa R$ 25 bilhões por ano e vários estudos nos mostram que isso não tem protegido o emprego. Tem que saber ajustar quando não está dando resultado. Não deu os resultados que se imaginava e se mostrou extremamente caro. A gente não está eliminando. Está reduzindo [o benefício]", declarou Levy, em entrevista coletiva, sobre a medida adotada por seu antecessor Guido Mantega, na primeira gestão de Dilma.
Segundo a presidente, Levy foi "infeliz" na declaração e a desoneração da folha é "importantíssima e continua sendo".
"Se não fosse importante, já teríamos eliminado e simplesmente abandonado. Acho que o ministro foi infeliz no uso do adjetivo", declarou a presidente Dilma Rousseff, antes da inauguração do Parque Eólico Artilleros, em Tarariras, no Uruguai.
De acordo com a presidente, a desoneração da folha "é um instrumento que vai permanecer. Agora, em certas conjunturas, temos de reajustá-los, ou para cima, ou para baixo".
Leia aqui reportagem de Rafael Moraes Moura sobre o assunto. 
Leia, ainda, a íntegra da entrevista concedida pela presidente Dilma Rousseff no Uruguai:
Jornalista: Podemos celebrar então essa parceria com Uruguai como estratégica? E vai beneficiar de que forma o Brasil, presidente?
Presidenta: Vai beneficiar o Brasil e o Uruguai. E trata-se da integração do sistema elétrico. Veja você que junto com esses cataventos, esses moinhos de vento, como dizem os uruguaios, nós vamos ter também uma linha de transmissão que vai permitir que, no Brasil e no Uruguai, nós construamos um sistema interligado de geração de energia que vai dar mais segurança para as nossas populações e uma energia de melhor qualidade e mais barata.
Jornalista: Mais barata.
Presidenta: É. E nós temos sempre que olhar aqui, a América Latina, e olhá-la como um continente. Um continente que pode ser integrado por várias nações e por sistemas comuns, como é o de energia elétrica.
Jornalista: Isso é bom num momento de recessão, de ameaça de recessão, de falta de chuva, de falta de água, de falta de energia?
Presidenta: Veja, aqui está sobrando água. No Rio Grande Sul, em todo o Sul do Brasil, está sobrando água. No Sudeste está faltando água, no Nordeste está faltando água, no Norte do Brasil tem água. Então o que eu quero dizer com isso? Que se você, cada vez mais, interligar essas regiões, criar redes de transmissão que levem energia de um lado para o outro, melhora. No passado, quando nós começamos esse processo, tinha água no Brasil e faltava água na Argentina e no Uruguai. Agora, inverteu. Então o que nós temos de ter é uma ação conjunta comum, para garantir que haja um sistema elétrico latino-americano de qualidade.
Jornalista: Presidente, qual a sensação de passar o último dia com o presidente Mujica?
Presidenta: A minha sensação é uma sensação, eu vou te dizer, estratégica porque eu acredito que o presidente Mujica representa o que há de melhor na América Latina. Uma liderança com compromisso com seu povo e com todo o povo Latino Americano. E ao mesmo tempo uma pessoa encantadora, como vocês já viram aqui. Uma pessoa que está à frente do seu tempo, e isso é algo muito importante porque um país e um continente se desenvolvem se tem utopias. E o presidente Mujica é um presidente que tem a realidade e a utopia compartilhadas.
Jornalista: É utopia pensar que o Brasil vai sair logo desses ajustes fiscais que estão sendo feitos, sair logo dessa crise?
Presidenta: Pode ter certeza que o Brasil vai sair dessa crise, vai sair ainda mais forte. Até porque o Brasil tem fundamentos sólidos. Nós passamos por dificuldades conjunturais. E isso garantirá que o país sairá um outro patamar, podendo continuar a crescer, garantindo os empregos que nós criamos e garantindo a renda que nós conquistamos.
Jornalista: A desoneração da folha foi grosseira, como disse o ministro Joaquim Levy, presidente? Como é que a senhora avalia essa declaração dele?
Presidenta: A desoneração da folha, ela foi importantíssima e continua sendo. Se ela não fosse importante, nós tínhamos eliminado e simplesmente abandonado. Acho que o ministro foi infeliz no uso do adjetivo. Agora, o fato é que tanto o ministro como todos os setores estão comprometidos com uma melhoria das condições fiscais do país. Ela é, hoje, a desoneração da folha, uma realidade. O que nós garantimos é que haja um reajuste nas condições. Será sempre um instrumento que não é um instrumento pura e simplesmente de ajuste fiscal. É um instrumento que vai permanecer. Agora, em certas conjunturas, tem de ser reajustado, ou para cima, ou para baixo. Agora, foi para cima.
Jornalista: Fala-se muito que a senhora estaria reconhecendo os erros da política econômica com essa nova equipe. É isso?
Presidenta: Quando a realidade muda, a gente muda. É impossível achar, por exemplo, que a tarifa de energia decorre de erros. A tarifa de energia decorre das chuvas. Quando aumenta a\ chuva, diminui a tarifa de energia porque entra a energia hidrelétrica.
Jornalista: O ajuste fiscal, por exemplo...
Presidenta: Só um pouquinho... Quando diminui a chuva, diminui a energia hidrelétrica e aí a gente tem de contratar térmica. E térmica é mais cara, porque você paga aquilo que produz a térmica. Você paga o gás, você paga o carvão. E quando é água que você está usando para produzir a energia, você não paga a água. Ela é gratuita. Eu agradeço, mas, agora, eu não vou responder sobre coisas do Brasil no Uruguai. Eu vou responder aqui sobre a importância da relação do Brasil com o Uruguai. O Uruguai é um parceiro estratégico do Brasil. Nós olhamos o Uruguai como sendo um país irmão. E temos essa, eu acho assim, esse grande desafio que é reforçar as relações econômicas, as relações sociais e culturais. E, sobretudo, a infraestrutura, que hoje nós estamos em uma obra que a gente tem de comemorar, que é a primeira obra e o primeiro investimento da Eletrobras no exterior. E, para mim, é muito sintomático que esse primeiro investimento tenha sido feito aqui. 

Defensoria e Sejudh selam parceria para o Dia Internacional da Mulher

A Defensoria Pública do Estado selou parceria com a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) para a comemoração do Dia Internacional da Mulher, com ações de conscientização contra a violência doméstica e familiar.
O Defensor Público Geral, Luís Carlos de Aguiar Portela, participou de reunião com Maria Tavares da Trindade, coordenadora estadual de Promoção dos Direitos da Mulher, da secretaria, para acertar detalhes da programação, que será realizada nos dias 7 e 10 de março.
No dia 7 de março será realizada a Caminhada Ação Cidadania, com saída programada da praça do Relógio em direção à praça da República, local onde a ação terá continuidade, com atendimentos feitos pelas instituições parceiras, incluindo a Defensoria Pública, que disponibilizará técnicos e Defensores dos Núcleos de Atendimento Especializado à Mulher (Naem) e ao Homem (Neah) para divulgar informações e dar orientações jurídicas aos participantes do evento.
Já no dia 10 de março será realizada uma sessão de cinema no Espaço Municipal Cine Olympia, com filmes que também abordarão a temática de violência doméstica e familiar e a Defensoria também estará presente através dos dois Núcleos que abordam a violência doméstica e familiar no dia a dia.
Além das duas ações, nos dias 7 e 10 de março, o cronograma da Campanha 8 de Março ainda está sendo finalizado, e a parceria entre Secretaria de Justiça e Direitos Humanos e Defensoria pode se tornar permanente.
A coordenadora estadual de Promoção dos Direitos da Mulher, revelou que o objetivo das próximas ações será levar atendimento às mulheres do campo, da floresta e das águas no interior do Estado. “O papel da Defensoria é de extrema importância, pois é através de núcleos como o Naem e Neah que passamos para nossas assistidas as orientações jurídicas”, explicou Maria Trindade.
O Defensor Público Geral não apenas confirmou a atuação da Defensoria como também informou que a instituição vai ajudar na divulgação dos trabalhos feitos pela Sejudh, que por sua vez divulgará também os trabalhos dos núcleos que atendem mulheres vítimas de violência doméstica e familiar e homens autores desse tipo de violência.

Programa Telessaúde é apresentado pela Uepa em Altamira

O município de Altamira, no sudoeste do Estado, é sede nesta sexta-feira, 27, de reunião do Programa Mais Médicos. O encontro tem como objetivo discutir as ações do governo federal para a melhoria da saúde no Estado. Participam do encontro médicos, enfermeiros e profissionais da saúde do Pará.

Além do Mais Médicos, programas como a Rede Cegonha e os de Atenção Básica à Saúde fazem parte da programação. A Universidade do Estado do Pará (Uepa) será representada pelo servidor Kleber Vilhena, que vai ministrar a palestra Telessaúde – uma ferramenta importante para o fortalecimento das ações de apoio à atenção à saúde e de educação permanente das equipes de atenção, na qual fará a exposição do funcionamento do programa no Estado.

O Telessaúde tem como objetivo melhorar a qualidade do atendimento básico no Sistema Único de Saúde (SUS) usando tecnologias de informação. Por meio dele, os profissionais de diversas especialidades e municípios podem fazer assistência médica on-line em tempo real. “Imagine que existe paciente em Altamira que precise se deslocar até Belém para fazer um atendimento. Com o sistema, o médico pode ter acesso aos formulários do paciente e agilizar esse atendimento”, explica Kleber Vilhena.

No Pará, a Uepa é a sede do Núcleo do Telessaúde. No ano passado, representantes do Ministério da Saúde fizeram a verificação das estruturas do projeto da universidade para alocar mais recursos para a ampliação do programa. Além da capital paraense, os municípios de Ananindeua, na região metropolitana, e Santarém, no Baixo Amazonas, devem receber núcleos. Atualmente, 44 municípios do Estado estão cadastrados no programa e a expectativa é a ampliação para todos os municípios do Pará.

Joias do Polo Joalheiro do Pará são expostas na Bolsa de Turismo de Lisboa

Marcadas pela sustentabilidade e inovação, 28 joias em ouro e prata do Polo Joalheiro do Pará estão em exposição no estande do Governo do Pará na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL). O evento foi aberto na última quarta-feira, 25, e segue até o próximo domingo, 1º de março, em Lisboa, Portugal, no Pavilhão do Parque das Nações.

Com o tema “Joias Sustentáveis da Amazônia”, a exposição tem como referência e diferencial as gemas vegetais e a “metal-morfose”, inovações desenvolvidas no âmbito do Programa Polo Joalheiro do Pará. As joias expostas no local foram criadas e produzidas por designers, ourives, lapidários e demais profissionais que integram o Polo Joalheiro.

A mostra integra as ações da Secretaria de Estado de Turismo (Setur), de divulgação do Pará como um destino turístico considerado a obra-prima da Amazônia, atraindo turistas internacionais, em especial da Europa. A ação tem sido incrementada com a ligação direta do vôo Belém-Lisboa, operado pela TAP, que conecta a capital portuguesa a outros 55 destinos do Velho Mundo.

São esperados cerca de 70 mil visitantes na 27° edição do evento, que tem como objetivo central o fomento de debates entre os diversos agentes do setor turístico, proporcionando rodada de negócios entre expositores, com foco no marketing, na comunicação e nas relações-públicas, além do estabelecimento de novos contatos para investimentos e parcerias futuras.

A exposição de joias do Polo Joalheiro do Pará ocupa parte do espaço físico de 52 metros da feira, destinado ao Estado do Pará, e conta com a parceria da Setur e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), que realizam e apóiam a iniciativa. Também pode ser encontrado, no local, material do receptivo paraense.

A mostra de joias é um dos destaques na BTL, chamando a atenção, em especial, de visitantes oriundos de Portugal, República Dominicana, Moçambique, Alemanha, Espanha e Argentina. “A proposta de sustentabilidade e o design das nossas joias, que comunicam a cultura da Amazônia paraense têm tido grande aceitação na feira, atraindo olhares de turistas e empresários”, relata Rosa Helena Neves, diretora executiva do Programa Polo Joalheiro do Pará e do Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama), que gerencia o programa, mantido pelo governo do Pará, via Sedeme e Igama.

A joia artesanal do Polo é reconhecida em todo o Brasil e no exterior, por incorporar matéria-prima diferenciada e sustentável ao metal nobre, contribuindo para o surgimento de uma joia onde a originalidade expressa a cultura do seu território.

Para a exposição em Lisboa foram selecionadas joias que mostrassem essas inovações, calcadas na sustentabilidade. No espaço, os visitantes podem encontrar joias com gemas vegetais de chocolate, como o anel criado por Joelson Leão e produzido pela Amajoias.

Outro exemplo é o anel e o pingente da coleção “Metalmorfose da Amazônia”, criados pela designer Joseli Limão e produzidos pela Danatureza, com ourivesaria de Ednaldo Pereira. São joias em prata que realçam a gema de mandioca, produto orgânico oriundo de resina e pigmentos naturais retirados de plantas e processados para utilização na joalheria.

As gemas vegetais foram criadas pelo mestre ourives e pesquisador paraense Paulo Tavares e têm dureza similar à de uma pérola, podendo ser encontradas nas cores e com insumos de variadas espécies regionais, como o açaí, a pupunha, o abacaxi e a pimenta.

Joias destacam-se pelo colorido especial

Também chamam a atenção de quem visita a exposição, joias criadas com uma técnica especial de coloração, denominada “metal-morfose”, que confere um colorido único em joias em ouro e prata. As cores são geradas a partir do aproveitamento de resíduos da reciclagem do metal nobre e do lixo das unidades produtivas.

Identificada pelo respeito ao meio ambiente, a técnica de ourivesaria resulta do trabalho desenvolvido, ao longo de uma década, pelo pesquisador e mestre ourives Paulo Tavares. Joias com novas cores surgem com a aplicação desta tecnologia, aliada a outra inovação: a “incrustação paraense”, também conhecida como incrustação a frio e desenvolvida por Paulo Tavares e Argemiro Muñoz, sendo aprimorada pelo ourives Joelson Leão, no âmbito do Programa Polo Joalheiro do Pará. O processo de coloração substitui a esmaltação e utiliza resíduos da lapidação de gemas minerais ou de produtos orgânicos.

As joias das coleções Paredão de Sonhos e Rastros, criadas pela designer Mônica Matos, representam bem a “metal-morfose”. Inspiradas na história que envolve a extração do ouro no Pará, a designer Mônica Matos, da Joias da Amazônia, escolheu o tema pela forte simbologia que o envolve e pela amplitude para a utilização das cores extraídas do metal utilizado: metassilicato de cobre, carbonato de cobre e hidróxido de metais.

Os colares de Mônica Matos fazem referência às cores dos locais de garimpo, dos barrancos e do próprio minério ali extraído, relacionando-as com a poética dos sonhos dos garimpeiros e da escada que levava aos sonhos. Ela também referenda as joias, visualmente, com os rastros e crateras (ou “grandes vácuos”) formados nos locais de extração de ouro.  

Segundo Rosa Helena Neves, as joias expostas mostram essa busca pelo diferencial da produção, com ênfase no design, inovação, utilização de técnicas de ourivesaria tradicionais no metal e aplicação de matéria-prima regional.

A ambientação da exposição do Polo Joalheiro do Pará é do artesão Guilherme Júnior, da empresa Ayty, e do designer Felipe Braun, que também optaram por retratar questões ambientais, ao utilizar painéis formados por lâminas sustentáveis de madeira pré-composta, uma amostra do artesanato de Guilherme. Especialista em macheteria (artesanato em madeira), o artesão cria peças ecologicamente corretas com lâminas de madeira descartada, reaproveitadas de serrarias, trabalho pelo qual recebeu certificado do prêmio "Sebrae Qualidade e Serviço de 2014", onde ficou entre os dez finalistas selecionados entre mais de 1.780 empresas de todo o Pará.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Estado apresenta metas alcançadas dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal

Técnicos das secretarias de Estado de Planejamento (Seplan) e da Fazenda (Sefa) apresentaram, durante audiência pública na Assembleia Legislativa, nesta quinta-feira (26), os relatórios que comprovam o cumprimento das metas fiscais do governo do Estado no exercício de 2014, consolidando as informações relativas ao último quadrimestre do exercício. A apresentação é determinada pela Lei Complementar nº 101/ 2000, que estabelece as diretrizes sobre as finanças públicas sob o prisma da responsabilidade fiscal.

Embora os resultados das metas tenham se mantido satisfatórios, o secretário de Planejamento, José Alberto Colares, não minimizou os efeitos da crise nacional, que obriga o Estado a reduzir despesas de forma a manter o equilíbrio fiscal e, ao mesmo tempo, dar cumprimento aos programas alinhados diretamente ao objetivo de governo de redução da pobreza e da desigualdade.

“Mesmo o Estado sendo autossuficiente e apresentando resultados fiscais sucessivos que demonstram o equilíbrio das contas públicas, algumas questões relativas ao crescimento da despesa de pessoal, em particular dos inativos e do Plano de Assistência à Saúde dos Servidores, nos compelem a aprofundar as discussões no âmbito do executivo, envolvendo também os demais poderes de Estado na busca por soluções para o cumprimento dos compromissos firmados com a população”, disse o secretário.

Os resultados apresentados para os principais indicadores fiscais demonstram que, em 2014, na saúde foram aplicados 12,97% (para o limite mínimo de 12%); na educação, 25,56% (para o limite mínimo de 25%); e no tocante à despesa de pessoal do Poder Executivo em relação à Receita Corrente Líquida (RCL) ficou-se abaixo do limite prudencial, de 46,17%. Quanto à capacidade de buscar fontes alternativas de financiamento, via contratualização de operações de crédito, o Estado apresenta ampla margem de endividamento, dado que o limite da resolução do Senado federal é de duas vezes o valor da Receita Corrente Líquida (RCL), correspondente a R$ 30 bilhões.

O Estado Pará apresenta a dívida consolidada líquida de R$ 1,5 bilhão. No que se refere aos compromissos firmados na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), para uma meta de R$ 20,9 milhões de Resultado Primário, foram alcançados R$ 514,9 milhões; quanto ao Resultado Nominal, atingiram-se R$ 125,8 milhões para uma meta estimada de R$ 809 milhões, baseada na previsão de contratação de novas operações de crédito que, por razões diversas, não se concretizaram.

Nesse cenário e assentada na capacidade do Estado em se recompor, efetivada na arrecadação que superou as expectativas, abre-se possibilidades de receber novos investimentos, os quais já se desenham em projetos fundamentais nas áreas de saúde, educação, segurança, logística e transporte, a serem enviados brevemente à Alepa. “A máquina tem que funcionar para a sociedade, e convido todos a trabalharem com o Executivo nessa perspectiva, e achar soluções para problemas que se mantêm em todo o Estado”, disse Colares.

A arguição da plateia de autoridades e representantes da sociedade centrou-se em perdas reais e desoneração, taxação de recursos naturais, despesas pendentes e projetos em andamento, criando um espaço de esclarecimentos e apontando para um entendimento e união de forças em prol de um crescimento voltado para todos, com objetividade e demonstrando que o governo propõe uma abertura de diálogo, coisa que se poderá verificar na construção do Plano Plurianual (PPA), quando se discutirá agendas estratégicas, com larga escuta social. Os relatórios podem ser acessados aqui.

CUNHA: CÂMARA PODE REVER PASSAGENS PARA CÔNJUGE

Após a repercussão negativa entre os próprios parlamentares e nas redes sociais, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou nesta quinta-feira, 26, que a Mesa Diretora poderá rever a decisão que autorizou o pagamento de passagens aéreas para cônjuges dos parlamentares.
"Não vejo nada demais [com a medida]. Mas se a Mesa quiser rever, é um direito dela. Na próxima reunião ela que trate. Não tem problema nenhum da minha parte", afirmou Cunha. A medida permitindo a compra foi decidida em reunião nesta quarta, 25.
Em material publicado em seu Facebook, Cunha lembrou que a regra que valia até 2009 abria a possibilidade de uso de passagens aéreas por filhos, amigos e correligionários. Depois a regra mudou por causa de denúncias de uso indevido da verba. Segundo ele, agora a regra ficou restrita aos cônjuges e é a mesma usada pelo Itamaraty para a concessão de passaporte diplomático: a comprovação do casamento ou de união estável reconhecida em cartório.
Nesta quinta-feira, o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio, anunciou que pretende entrar com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF), ainda nesta quinta-feira, para tentar anular a decisão. "É inaceitável que, num momento em que a sociedade é penalizada com o aumento de impostos e alta nos preços, conceda-se esse privilégio aos parlamentares. É um contrassenso. O PSDB não fará parte dessa vergonha, também em respeito aos próprios cônjuges de seus parlamentares", afirmou Sampaio.
Além do PSDB, o PPS anunciou que abrirá mão das passagens destinadas aos companheiros e companheiras dos parlamentares

Olimpíada de Matemática é oportunidade para alunos da rede pública de ensino

A 11ª Olimpíada Brasileira de Matemática de Escolas Públicas (Obmep) abriu as inscrições para a primeira etapa com a expectativa de ultrapassar um milhão de inscritos no Pará. Quarto maior em número de inscritos, o Estado conquistou 200 medalhas nos últimos três anos. As provas serão aplicadas no dia 2 de junho, pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa), elaboradas especificamente para as escolas públicas, como uma derivação da Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM).
“A OBM era concentrada para escolas particulares. Ao invés de contar com 30 ou 40 mil alunos, hoje a Obmep beira os 20 milhões de participantes. Temos a primeira fase, na qual participam 100% dos municípios do Pará, cerca de um milhão de alunos. Da segunda etapa participam apenas os 5% melhores da primeira”, explica o professor da Universidade Federal do Pará (UFPA) José Augusto Fernandes, um dos coordenadores da competição no Estado.
Aos 13 anos, o estudante João Victor Lima é um dos 76 jovens premiados na Obmep no Pará em 2014. Ele foi o único premiado em sua escola e também o único que se interessou em buscar mais conhecimento para superar a prova. Curioso, começou a pesquisa sobre a Obmep desde cedo. “Fui fazendo todas as provas da olimpíada em casa, desde o início. Foram dez provas que estudei e revisei. Percebi que aquela era uma matemática bem avançada, muito diferente da que eu via na escola. Daí tive de me adaptar. Achei difícil, mas depois me acostumei. No começo não entendia nada, mas depois que comecei a estudar a matemática avançada, até a lição da sala de aula foi ficando mais fácil”, diz Victor, ganhador da medalha de ouro.
Os medalhistas recebem uma bolsa de estudos e podem participar de um curso de matemática avançada no Instituto de Ciências Exatas e Naturais (Icen) da UFPA, onde trabalham ainda mais as habilidades ao lado de professores da universidade e alunos de outras escolas públicas. A mãe de Victor, Alessandra Lima, percebe a melhora no dia a dia do estudante. “Como mãe percebi ele começou a se desenvolver ainda mais. Ele consegue resolver questões com muito mais facilidade, de cabeça, inclusive me ajudando em questões de lógica para concurso público, em que tenho dificuldade. Com certeza a gente dá todo o apoio que pode”, diz.
Conquistas – A medicina e a matemática fazem parte da história de família do universitário Caio Araújo, 18. Ele morava em Rondon do Pará, no sudeste do Estado, quando começou a participar da Obmep, ainda em 2008, no ensino fundamental. A família se mudou quando a mãe, Elisângela de Araújo, decidiu entrar da faculdade de medicina e o pai, Luciano Teixeira, vendeu a propriedade rural que tinha em Rondon para ajudar a realizar o sonho da esposa.
“Nos mudamos para Belém e eu continuei a estudar. Nunca pensei que ganharia alguma coisa, mas estudar matemática para mim era um prazer. Participei de 2008 a 2013 da Obmep e ganhei duas menções honrosas. Em 2013 consegui a medalha de bronze. Foi uma grande surpresa”, conta o estudante, que hoje, a exemplo da mãe, também é universitário de medicina, desde o ano passado.
“A gente vê que ele é esforçado e tem futuro. Basta ele explorar o que vem desenvolvendo e melhorar. Eu incentivo desde as primeiras olimpíadas. No começo ele não tinha muito interesse, mas se surpreendeu com a própria habilidade. A gente vê que ele tem talento para isso”, diz o pai de Caio.
“Eu tinha certeza que não conseguiria nenhuma medalha, principalmente na última prova, mas o meu pai sempre me incentivou, e realmente me surpreendi. Fiz parte do grupo de estudos na UFPA, e foi um período muito legal, pois pude ver alunos mais novos que já estavam muito mais avançados do que eu. Essa experiência me ajudou no vestibular e, até hoje, a matemática me acompanha em várias disciplinas no curso de medicina”, diz Caio.
Como conquistar prêmios já faz parte da carreira do estudante, nesta semana ele soube que foi aprovado no programa Jovens Talentos, do governo federal, e participará de um programa de iniciação científica na área de medicina.
Inscrição – As inscrições na Obmep podem ser feitas pelas escolas no site www.obmep.org.br. Os alunos aptos para as provas devem ser cadastrados até o dia 31 de março. Nesta edição, serão premiados 6,5 mil estudantes com medalhas (500 medalhas de ouro, 1,5 mil de prata e 4,5 mil de bronze) e cerca de 46,2 mil com menções honrosas.
A Obmep é dividia em duas fases e tem três níveis de participação: 1, para alunos do 6º e 7º anos do ensino fundamental; 2, para alunos do 8º e 9º anos do ensino fundamental; e 3, para alunos do 1º, 2º e 3º anos do ensino médio. No dia 2 de junho, são as provas da primeira fase. Os classificados vão para a etapa seguinte, que será no dia 12 de setembro, e os resultados serão divulgados no site da olimpíada no dia 27 de novembro.
Os 6,5 mil medalhistas da Obmep 2015 serão convidados a participar do Programa de Iniciação Científica Jr. (PIC), ao longo de 2016. Além de premiar os estudantes com melhor desempenho na prova da segunda fase, a Obmep também premia professores, escolas e secretarias de educação de municípios que se destacaram em virtude do desempenho dos alunos.
A Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas é uma atividade do Impa voltada para o ensino médio e fundamental. Promovida com recursos dos ministérios da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação, com apoio da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), a olimpíada foi criada em 2005 com o objetivo de estimular o estudo da matemática nas escolas públicas e revelar talentos.
A primeira edição da Obmep envolveu 10,5 milhões de alunos de 31 mil escolas, localizadas em 93,5% dos municípios brasileiros. Hoje as provas mobilizam mais de 18 milhões de alunos de cerca de 47 mil escolas (localizadas em mais de 99% dos municípios). No site da olimpíada, além de informações sobre os programas correlacionados, alunos, pais de alunos e professores encontram materiais didáticos como bancos de questões e resolução, em vídeo, de provas de edições anteriores.

Para o coordenador de Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Jaime Ramos, a Olimpíada Brasileira de Matemática tem por objetivo estimular o estudo da matemática de forma prática, com conteúdos do dia a dia nas escolas públicas, assim como possibilita revelar talentos desenvolvendo maior autonomia, raciocínio lógico-matemático e uma formação mais completa. "Ela possibilita também desenvolver e aperfeiçoar a capacitação dos professores, e influencia na melhoria do processo ensino-aprendizagem", concluiu.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

LULA: DILMA DEVE EXPLICAR OBJETIVOS DO AJUSTE FISCAL

"O que queremos que esteja acontecendo em 31 de dezembro de 2018? Qual o país que queremos encontrar e entregar ao sucessor da Dilma, que esperamos que seja do PT? É isso que está faltando explicar por parte do governo e do PT", disse o ex-presidente Lula em jantar com petistas, de acordo com os participantes; "Falta dizer por que isso está sendo feito. É para o emprego voltar a crescer? É para retomar o crescimento econômico? É para a adoção de outras políticas sociais? Falta dizer que o ajuste fiscal não é um fato isolado"; segundo o líder do PT no Senado, Humberto Costa, Lula também cobrou um posicionamento mais forte dos petistas para rebater as denúncias de corrupção

Estado investe em políticas de qualificação para fortalecer o mercado formal

A emissão da carteira de identidade da jovem Samantha Modesto, 20, foi o primeiro passo para a realização de um sonho: o tão esperado primeiro emprego. “Quando eu tirei a carteira de identidade e os demais documentos necessários para iniciar a minha vida profissional, eu não imaginava que conseguiria um emprego tão rápido. Mas para a minha surpresa, a minha vaga no mercado de trabalho chegou seis meses após a emissão da minha carteira de trabalho”, destaca a promotora de vendas, contratada recentemente por uma loja de eletrônicos em Belém.    

Em busca da primeira oportunidade no mercado de trabalho, a estudante Juliana Lima, 18, também comemora o início de sua trajetória profissional com a emissão da primeira via da carteira de identidade, retirada há pouco mais de uma semana, no posto de identificação da Delegacia Geral, em Belém. “O RG é o meu primeiro documento como adulta, depois disso, vem uma série de outros, incluindo a carteira de trabalho, fundamentais para a minha entrada no mercado formal”, afirma a jovem.

Histórias como as de Samantha e Juliana têm se repetido cada vez mais em todo Estado. Dados da Diretoria de Identificação da Polícia Civil do Pará revelam que a primeira via do RG lidera o número de documentos fornecidos pela entidade. Das quase 270 mil carteiras de identificação civil emitidas ano passado, 47% eram primeira via. “Não temos um estudo especifico para saber se a intenção de todos esses requerentes da primeira via do RG era a busca pelo primeiro emprego. Mas o fato é que desses 47%, certamente a maioria é composta por adolescentes e jovens”, ressalta o diretor de Identificação da Polícia Civil, Antonio Ricardo de Paula. 

A grande procura de jovens pela emissão da carteira de identidade também é sentida no aumento de postos de trabalho para essa faixa etária. Segundo uma pesquisa do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos do Estado (Dieese), divulgada na última semana, no Pará cerca de 1,1 milhão de jovens entre 15 e 29 são economicamente ativos e estão no mercado de trabalho. Apesar de configurar um índice positivo, principalmente em relação aos demais estados da região Norte, desse total, apenas 42% trabalham com carteira assinada. 

Para Everson Costa, secretário adjunto da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), a luta contra a informalidade ainda é o principal desafio do governo em relação a ocupações de jovens no Pará. “Não basta que esse jovem tenha um emprego, é preciso que ele esteja dentro das condições formais exigidas pela lei. E esse é o nosso grande desafio. É para fortalecer esse quadro e fazer com que cada vez mais tenhamos jovens empregados com carteira de trabalho assinada é que precisamos investir em uma série de políticas de inclusão e qualificação”, explica.

Entre as medidas que já começaram a ser adotadas pela Seaster, Costa destaca o investimento na política de estágios, desenvolvida pelo governo do Estado em parceria com centrais de estágios de empresas, do Sistema S (Senai, Senac, Sesc, Senat, Sebrae) e dos grandes projetos instalados no Pará. “Sabemos que o estágio é o principal indutor para que o jovem entre no mercado de trabalho. Por isso, precisamos fortalecer essa política, alinhada à qualificação profissional”, afirma o secretário adjunto.

O estudo do Dieese mostra, ainda, que do total de jovens ocupados no Pará, 63,96% são homens e 36,04% são mulheres. Para ajudar a aumentar o quadro de ocupações formais dessa faixa etária no Estado, o governo tem investido em políticas de qualificação integradas entre os diversos órgãos da gestão estadual. Um desses exemplos é o trabalho desenvolvido pela Fundação Pro Paz em parceria com a Seaster, através do projeto Pro Paz Jovem Trabalhador.

Criado em 2011, durante a 2ª Conferência Estadual da Juventude, em Belém, o projeto tem como principal meta qualificar jovens de baixa renda para o mercado de trabalho, garantindo inclusão social e o incentivo ao desenvolvimento econômico local. Apesar do pouco tempo de atuação, o projeto já soma números favoráveis. De 2012 à 2014, o Pro Paz Jovem Trabalhador qualificou 4.740 jovens de 18 a 29 anos em todo o Pará.

Para o coordenador do Pro Paz Juventude, Raimundo Rodrigues, esses números superam as expectativas do projeto. “O balanço que a gente faz é muito positivo, levando em consideração que quase 30% da população do nosso estado é jovem, na faixa de 15 a 29 anos. Por isso, acreditamos que o projeto tem conseguido manter o objetivo com que foi criado e acreditamos que a perspectiva de obter bons resultados será muito maior daqui para a frente”, comemora.

Entre os cursos disponibilizados pelo projeto estão o de auxiliar administrativo, mecânica de motos, manicure, secretariado e panificação, entre outros. As capacitações do Pro Paz Jovem Trabalhador ocorrem nos polos do Pro Paz nos Bairros e no Núcleo Pro Paz Jovem Trabalhador.

Primeiro leilão do Detran no ano teve participação pela internet

O primeiro leilão do ano promovido pelo Departamento de Trânsito do Estado (Detran) em Belém, nesta quarta-feira (25), apresentou uma nova ferramenta que possibilitou a participação de pessoas de outros Estados. Pela internet, interessados de qualquer lugar ofereceram lances on-line e em tempo real. Para o presidente da Comissão de Leilão, Luiz Pinto Marques, o uso do recurso contribuiu para o sucesso do evento.

“Essa ferramenta virtual foi usada pela primeira vez e funcionou perfeitamente. Todos os 238 lotes foram arrematados. Certamente ela será usada nos demais certames”, informou. O leilão ocorreu na nova sede do parque de retenção do Detran, na Avenida Tavares Bastos, em um espaço que permite a participação de um grande números de pessoas.

Mil pessoas participaram do leilão, disputando veículos que estavam sendo leiloados em função do não pagamento de débitos pelos antigos donos, principalmente o licenciamento. Segundo a legislação de trânsito, quando um veículo está por mais de 90 dias retido, o órgão de trânsito responsável pode levar o bem a leilão. O arrematante fica isento de arcar com a dívida registrada no veículo. Esse débito é pago com os recursos obtidos no certame.

O Detran deve fazer novo leilão no próximo dia 11 de março. “Houve uma demanda muito grande de pessoas interessadas em adquirir os lotes colocados no leilão. Os participantes disputaram tanto os veículos recuperáveis quanto as sucatas. Como a procura é sempre grande, já está previsto um novo certame em março, aqui na capital”, adiantou Luiz Marques. Para a participação on-line, é preciso fazer cadastro prévio e receber login e senha para o dia do certame.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Detran realiza primeiro leilão do ano

Nesta quarta-feira, 23, o Departamento de Trânsito do Pará (Detran) realiza o primeiro leilão do ano. Ao todo, 250 unidades serão leiloadas a partir das 10 horas, no Parque de Retenção do órgão. Para participar os interessados devem comparecer ao local, portando RG, CPF e um comprovante de residência.
Além da participação presencial, também é possível participar via internet. Os interessados na participação online precisam realizar cadastro prévio no site www.vipleiloes.com.br, onde será fornecido login e senha. A cópia dos editais com o detalhamento dos veículos aptos à hasta pública, podem ser obtidos no site www.detran.pa.gov.br.
Nesta segunda, 23, e terça-feira, 24, estará aberto o período de visitação, quando os interessados poderão verificar a situação dos lotes. Vale lembrar que a legislação de trânsito em vigor permite aos órgãos de trânsito leiloar veículos recolhidos há 90 dias nos pátios de retenção.

LULA: 'SE QUEREM GUERRA, EU SEI LUTAR TAMBÉM'

O ex-presidente Lula disse, nesta terça-feira (24), que está pronto para ir para as ruas "defender a Petrobras, defender a reforma política e a democracia". Segundo ele, "começamos uma luta e essa luta vai demorar". O ex-presidente participou do ato em defesa da Petrobras, que ocorreu na sede da ABI, no Rio de Janeiro.
"Sou filho de uma mulher analfabeta. de um pai analfabeto. E o mais importante legado que minha mãe deixou foi o direito de eu andar de cabeça erguida e ninguém vai fazer eu baixar a cabeça neste país. Honestidade não é mérito, é obrigação. Eu quero paz e democracia, mas se eles querem guerra, eu sei lutar também", desafiou.
Durante o ato, Lula comparou o atual momento político pelo qual passa o país com o período imediatamente posterior à instalação da ditadura militar no Brasil, em 1964.
"Percebo que eles continuam fazendo hoje o que sempre fizeram antes. A ideia básica é criminalizar antes, tornar bandido antes, antes de ser investigado e julgado. É criminalizado pela imprensa e começa o processo pela sentença. O problema sério é que se eu conto uma inverdade muitas vezes, ela vira verdade para milhões de pessoas. A tal da teoria do domínio do fato, eu não tenho que saber se você cometeu um crime, mas se você é o chefe, então você cometeu. É um pressuposto", afirmou. "No caso da Petrobras, se parte do pressuposto de que tem que acabar com a Petrobras e criminalizar a política", disse.
"Tem algo acontecendo neste país. Acabamos de ver a famosa Primavera Árabe, ver o ex-presidente do Egito ser derrubado, depois eleger alguém, depois derrubar e agora os militares estão lá. Sabemos o que aconteceu na Líbia. O Iraque está afundado em violência. E estamos vendo no Brasil a criminalização da ascensão social de uma camada da população brasileira. A elite não se conforma com a ascensão dos mais pobres", afirmou. 
"Eu fui o presidente que mais visitei a Petrobras, sou o presidente que tenho orgulho de em 2002 ter feito minha campanha defendendo a Petrobras, a indústria naval brasileira e o conteúdo nacional. Talvez tenha sido o presidente que mais inaugurou plataformas. Tenho orgulho de ter participado do centro de estudos da Petrobras", afirmou. "Tenho orgulho da maior capitalização do capitalismo mundial, que foi a capitalização da Petrobras, que se tornou uma das empresas mais importantes do mundo. Que vergonha eu posso ter se no meio de uma família de 86 mil pessoas, se uma pessoa comete um erro, uma 'caca". Não podemos jogar a Petrobras fora por causa de meia dúzia de pessoas ou 50 pessoas", ressalvou. Em seu discurso, Lula também defendeu a política de conteúdo nacional e o modelo de partilha. 
"Nossa companheira Dilma tem que deixar a Petrobras para a Petrobras, as investigações para o ministro da Justiça. A Dilma tem que lembrar que ganhou eleição, levantar a cabeça e cuidar do país. Ela não pode dar trela. Nós ganhamos as eleições e parece que temos vergonha de ter ganhado", afirmou. "Vamos defender a Petrobras, que significa defender a democracia", disse. 
O ex-presidente também fez críticas à imprensa. "Quero dizer a imprensa que cheguei duas vezes à Presidência sem ela. A imprensa só tem um papel que é de informar corretamente", afirmou. O ato foi organizado pela CUT e pela FUP (Federação Única dos Petroleiros), com a presença de representantes do movimento sindical, advogados, jornalistas e intelectuais. 
Na parte externa do prédio da ABI, antes do evento começar, houve confusão entre manifestantes. Abaixo matéria da Agência Brasil:
Polícia intervém para conter violência entre manifestantes no centro do Rio
Policiais militares precisaram intervir para conter a violência entre manifestantes em um ato em defesa da Petrobras, no centro do Rio. A confusão começou quando sindicalistas usando camisetas da Central Única dos Trabalhadores (CUT) rechaçaram com agressividade outro grupo de ativistas que protestavam contra a corrupção na estatal.
Sindicalistas e petroleiros que participavam de ato em defesa da Petrobras na Associação Brasileira de Imprensa entram em confronto com manifestantes que protestavam contra a corrupção na estatal.
O confronto aconteceu em frente à sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), onde foi marcado um ato em defesa da Petrobras, com as presenças de acadêmicos, artistas e lideranças políticas, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Por causa da confusão, a Rua Araújo Porto Alegre teve de ser interditada, causando um grande engarrafamento no trânsito naquela região do centro da cidade.
Os policiais militares formaram um cordão de isolamento entre o grupo de sindicalistas e o de ativistas contrários, e que tiveram suas faixas retiradas à força. Várias brigas foram registradas, e até profissionais de imprensa foram hostilizados pelos sindicalistas, que, inclusive, arrancaram o crachá de um cinegrafista da TV Brasil.

Seel inicia reforma nos pórticos de entrada do Mangueirão

O arquiteto responsável pelo projeto arquitetônico e pelas obras de revitalização do Estádio Olímpico do Pará, Alcyr Meira, participou de reunião na Secretaria de Estado Esporte e Lazer (Seel) nesta terça-feira (24) com a titular da Seel, Renilce Nicodemos. Ficou decidido que as obras de adequação dos pórticos de entrada do Mangueirão começam nesta semana.
Durante o encontro o arquiteto apresentou o projeto de reforma dos pórticos de entrada do estádio para a adequação das novas catracas, que já foram compradas e prontas para serem instaladas. O projeto também será apresentado à administração do estádio com o intuito de esclarecer os detalhes da reforma. As catracas eletrônicas com tecnologia de ponta, padrão Fifa, foram adquiridas com base em estudo feito há três anos. A revitalização dos pórticos de entrada do Mangueirão visa dar mais segurança ao público.
O Mangueirão passa por reformas e adequações desde junho do ano passado. Os serviços começaram com a troca do gramado. Em outubro de 2014, o campo de futebol ficou apto a receber partidas de futebol das séries C e A do Campeonato Brasileiro. Além disso, já foram feitas reformas no telhado e iniciada a pintura interna do estádio. As instalações elétricas de alta complexidade também receberam atenção e reformas.
Na última semana, após reunião entre Seel, Ministério Público do Estado, Corpo de Bombeiros, Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop) e Polícia Militar, além do escritório do arquiteto Alcyr Meira, ficou estabelecido que a entrada do público ao estádio é prioridade, assim como a adequação das bilheterias, a instalação das novas catracas eletrônicas e a recuperação das valetas externas ao Mangueirão. 

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

WAGNER: "ODEBRECHT É ORGULHO PARA O BRASIL"

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, defendeu hoje (24) que as investigações da Operação Lava Jato não afetem as empresas brasileiras. Segundo ele, companhias como a Odebrecht, cujos executivos estão sob investigação por envolvimento com o esquema de corrupção, representam uma "inteligência nacional" por concentrar grande capacidade técnica.
Ele disse estar preocupado quanto aos desdobramentos das investigações a "médio e longo prazos", no corpo técnico e no andamento das obras executadas por essas empresas. Acrescentou que é necessário preservar a tecnologia nacional desenvolvida pelas empresas brasileiras. "Quem é que vai construir isso aqui se não for o corpo de engenheiros que ao longo de 30 ou 40 anos acumulou inteligência? Aí vamos ter que chamar americano, alemão, francês ou chinês para construir", disse o ministro.
Jaques Wagner destacou a necessidade de, ao se investigar os casos de corrupção na Petrobras envolvendo as empreiteiras, não "jogar a criança fora junto com a água suja". "Vamos jogar só a água suja [quem está envolvido em esquema de corrupção], mas vamos defender a criança, que são as nossas empresas", acrescentou.
O ministro visitou as obras do estaleiro naval que construirá cinco submarinos para a Marinha, feitas pela Odebrecht. Wagner defendeu que as investigações não podem ser motivo para paralisar o governo.
"O Brasil tem que separar duas coisas: as investigações que correm no Ministério Público, na Justiça e na Polícia Federal e a nossa agenda de governo. Tem medidas contra a corrupção, que serão publicadas. Tem medidas contra a impunidade, que estão sendo preparadas. Nós não vamos parar o país para ficar assistindo o espetáculo da investigação. Esse item tem o seu contexto. Mas não vamos parar de trabalhar, porque o pessoal depende de emprego e de crescimento econômico", disse o ministro da Defesa.
Em entrevista, o ministro foi perguntado sobre o fato de o presidente da empresa UTC, Ricardo Ribeiro Pessoa, investigado pela Lava Jato, de incluí-lo como testemunha de defesa. "Imagino que ele me chamaria porque as obras ou serviços que a UTC tem na Bahia não apresentam irregularidades, apesar de ser baixa a presença da UTC na Bahia", disse o ministro.
Jaques Wagner confirmou que recebeu dinheiro da UTC durante suas campanhas de 2006 e 2010 para o governo do estado e durante a campanha de seu sucessor, no ano passado. Mas, segundo ele, os recursos foram informados à Justiça Eleitoral.

Seduc divulga lista de aprovados nas escolas tecnológicas do Pará

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) divulgou nesta terça-feira, 24, o resultado do Processo Seletivo 2015 das escolas tecnológicas do Estado do Pará, pelo qual serão ofertadas 6.440 vagas para 118 cursos, em 18 instituições de ensino da capital e interior do Estado. O listão já está disponível no site da Seduc (www.seduc.pa.gov.br) ou pelo link http://www4.seduc.pa.gov.br/inscricoes_eetepa/index.php.
Foram aprovados 6.008 candidatos, ou seja, há um excedente de 432 vagas, que deverão ser preenchidas em uma segunda chamada, agendada para o começo de março, abrangendo a segunda opção de curso dos candidatos inscritos e, ainda, quaisquer eventualidades com relação à documentação ou desistência de curso por parte dos aprovados. O processo seletivo, supervisionado pela Coordenadoria de Educação Profissional (COEP) da Seduc, teve 20.295 candidatos inscritos no período de 2 a 22 deste mês.
Os aprovados serão distribuídos entre os 48 cursos do Ensino Médio Integrado à Educação Profissional; 28 cursos do Ensino Médio Integrado à Educação de Jovens e Adultos (Proeja), e 42 cursos da modalidade Ensino Subsequente. O Ensino Médio Integrado destina-se à candidatos que já concluíram o Ensino Fundamental e tenham até 17 anos e 11 meses completos até a data da matrícula. Os cursos têm duração de quatro anos (oito semestres).
O Ensino Médio Integrado à Educação de Jovens e Adultos (Proeja) é destinado a alunos com idade mínima de 18 anos, que tenham concluído o Ensino Fundamental até a data da matrícula. Os cursos são concluídos ao fim de três anos (seis semestres). O Ensino Subsequente é voltado para estudantes que concluíram o Ensino Médio e reúne cursos com duração de dois anos (quatro semestres).
O maior número de candidatos inscritos (4.521) foi registrado na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Deodoro de Mendonça, seguido pela Escola Estadual de Ensino Médio Colégio Integrado Francisco da Silva Nunes (3.427 inscrições), Escola Técnica Estadual Magalhães Barata (2.377) e Instituto de Educação do Estado do Pará (2.042). O curso mais procurado foi Técnico em Segurança do Trabalho, com 45 candidatos por vaga.
Matrícula
Os candidatos aprovados devem comparecer, no período de 27 de fevereiro a 6 de março, à secretaria da escola que escolheram para estudar, a fim de apresentar a documentação exigida no processo seletivo, para efetivação da matrícula. De acordo com o edital do processo seletivo, no ato da matrícula o candidato deverá comparecer à escola munido de original e cópia dos seguintes documentos: requerimento de matrícula fornecido pela escola; Carteira de Identidade (RG) ou Certidão de Nascimento; Certificado de Conclusão do Ensino Fundamental (Ensino Médio Integrado e Proeja) e Ensino Médio (Subsequente); Histórico Escolar do Ensino Fundamental (Ensino Médio Integrado e Proeja) e Ensino Médio (Subsequente); comprovante de participação em Programas de Transferência de Renda ou declaração de bolsista de escola da rede privada (para os candidatos que declararam esta informação no ato da inscrição), além de comprovante de residência e duas fotos 3x4.
Os candidatos declarados portadores de necessidades especiais (PNE) deverão apresentar laudo médico, conforme definido no edital.
Chamada
A lista dos candidatos classificados em segunda chamada estará disponível a partir do dia 10 de março no site Seduc (www.seduc.pa.gov.br) ou nas escolas. A matrícula dos candidatos classificados em segunda convocação será realizada nas escolas da Rede de Educação Tecnológica do Pará, no período de 11 a 13 de março, nos turnos de funcionamento das escolas.
As aulas nas escolas da Rede de Educação Tecnológica do Pará iniciarão no dia 16 de março, juntamente com as aulas do ensino regular nas unidades escolares da Seduc em Belém e no interior do Estado.
As 18 escolas tecnológicas da Seduc envolvidas no Processo Seletivo 2015 são: Anísio Teixeira, Magalhães Barata, Paes de Carvalho, Instituto de Educação do Estado do Pará, Deodoro de Mendonça, Francisco da Silva Nunes, Francisco das Chagas Ribeiro de Azevedo (Cacau), Dom Aristides Pirovano, Juscelino Kubitscheck de Oliveira, Irmã Albertina Leitão, Centro Integrado de Educação do Baixo Tocantins, EETEPAs de Tailândia, Monte Alegre, Oriximiná, Vigia de Nazaré, Itaituba, Paragominas e Salvaterra.

Iasep e sindicato discutem sobre assistência e descentralização de serviços

Terminou em clima de colaboração mútua em favor do servidor a reunião entre a direção do Instituto de Assistência dos Servidores do Estado (Iasep) e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp), na tarde desta terça-feira (24). A presidente do Iasep, Iris gama, detalhou o funcionamento e a situação do instituto, garantido abertura às sugestões do Sintepp para melhorar o atendimento aos segurados, “principalmente no interior do Estado”.
Segundo a pauta apresentada pelo coordenador geral do Sintepp, Mateus Ferreira, as principais reclamações dos segurados seriam quanto ao agendamento de consultas, exames e a busca por serviços no interior. “Os segurados reclamam de médicos que estariam deixando de atender por falta de pagamento, e buscam uma descentralização dos serviços”, disse ele.
Iris Gama falou sobre as limitações financeiras do Iasep e destacou que nenhuma das 608 empresas de saúde deixou de atender o instituto. Ela disse ainda que “todos os pacientes oncológicos, renais crônicos e que precisam de cirurgia ou de atendimento de emergência estão muito bem assistidos”. As reclamações dos segurados, frisou o sindicalista, referem-se a atendimentos eletivos, que podem ser agendados.
A diretora de Saúde do Iasep, Lúcia Souza, explicou que a procura por consultas aumenta nos meses de janeiro e fevereiro, quando todos os segurados estão com cota livre para atendimento. “Se uma clínica ou laboratório está com a agenda cheia e não pode mais atender nesse mês, com certeza, a rede do Iasep tem outra unidade de saúde, com a mesma qualidade, com capacidade para oferecer atendimento”, assegurou.
Sobre as especialidades médicas, a diretora de saúde informou que o Iasep abriu credenciamento para buscar a contratação de especialistas, como geriatra, endocrinologista, reumatologista, nefrologista e psiquiatra. Segundo ela, essas são especialidades com poucos profissionais no Estado, e todos os planos de saúde têm dificuldade para contratação.
O atendimento no interior do Estado, segundo a presidente do Iasep, é prioridade. Desde 2011, o instituto abriu 88 chamadas públicas para o credenciamento de serviços, visando à contratação de clínicas, hospitais, laboratórios e profissionais de saúde. “Onde há um especialista ou uma empresa capaz de atender, no interior do Estado, pedimos a ajuda do sindicato e dos segurados para que nos apontem esses locais e possamos melhorar a rede”, afirmou.
O coordenador o Sintepp disse que vai repassar aos servidores as informações e garantiu que as sub-sedes do sindicato poderão ajudar a ampliar a rede de serviços no interior. “Vamos levar para os demais associados que estão em municípios distantes de Belém alternativas que possam ajudar o plano a buscar mais clínicas associadas para descentralizar ainda mais o atendimento. Há sub-sedes que conseguem inclusive um diálogo com os donos das clínicas”, afirmou Mateus Ferreira.

Dólar fecha quase estável, com alta de apenas 0,02%

O dólar fechou praticamente sem alterações nesta segunda-feira (23), com alta de 0,02%, a R$ 2,8792 na venda. Durante a sessão, chegou a atingir a máxima de R$ 2,9046, maior cotação desde setembro de 2004. Ações de exportadores e operações de realização de lucros após ganhos, contudo, teriam limitado uma alta maior. O giro financeiro ficou em US$ 859 milhões, de acordo com a BM&F. 
Um dos fatores de pressão seriam as chances de desentendimento entre Grécia e outros europeus, que poderia levar o país a sair da zona do euro. Outra questão seria o próprio cenário macroeconômico brasileiro, que teriam motivado investidores a reduzir o ritmo de comprasde ativos em real, e a política monetária norte-americana. 
O Banco Central vendeu a oferta total de até 2 mil swaps cambiais pelas atuações diárias, com venda de 100 contratos para 1º de dezembro de 2015 e 1.900 para 1º de fevereiro de 2016. Também vendeu a oferta integral de até 13 mil swaps para contratos com vencimento em 2 de março, equivalentes a US$ 10,438 bilhões. 

PT pedirá ampliação da CPI da Petrobras até período FHC

InvestigaçãoO PT vai apresentar um pedido na próxima quinta-feira para ampliar a investigação da CPI da Petrobras na Câmara até 1997, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). A mobilização do partido da presidente Dilma Rousseff se baseia no depoimento do ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, que disse ter começado a receber propina de uma empresa naquele ano.
O trecho da delação premiada de Barusco foi citado pela própria presidente da República na última sexta-feira. Em entrevista a jornalistas, a petista disse que a corrupção na estatal deveria ter sido investigada em 1997. Em 1996 e 1997, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, a Petrobras era presidida por Joel Rennó. O ex-presidente tucano reagiu e disse, em nota, que o argumento segue a lógica de um batedor de carteira que grita “pega ladrão”.
De iniciativa da oposição, a CPI da Petrobras prevê a investigação de denúncias envolvendo a Petrobras entre 2005 e 2015. O PT preparou um pedido de aditamento para ampliar o escopo até 1997. Se o requerimento for rejeitado, a ideia é convocar Pedro Barusco para reproduzir seu depoimento da delação premiada para forçar a ampliação da investigação. Para técnicos da Câmara, a segunda opção é mais viável, já que deputados assinaram a criação de uma CPI tomando como base outro período de investigação.
Para o líder do PT, Sibá Machado (AC), houve omissão por parte dos investigadores depois que Barusco cita o recebimento de propina entre 1997 e 1998 da empresa holandesa SBM Offshore, que alugava plataformas para a Petrobras. “Ele conta uma historinha porque quis e o delegado não pergunta mais nada”, disse.
O PT, que quer a relatoria da CPI, planeja colocar parlamentares na comissão com experiência e conhecimentos jurídicos. A legenda também quer evitar a convocação do tesoureiro do partido, João Vaccari Neto. Segundo Machado, o colega de partido só foi chamado para depor na PF para fazer teatro. “Não tem nada contra ele, o delegado chamou e não tinha o que perguntar. Foi só um teatro, porque era aniversário do PT e quiseram esculhambar a festa”, disse. 
Instalação da CPI
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, marcou para próxima quinta-feira (26), ao meio-dia, a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras. Segundo o ato de criação, a CPI terá 26 membros titulares e igual número de suplentes, mais um titular e um suplente atendendo ao rodízio entre as bancadas não contempladas. Durante a leitura do ato de criação, no último dia 5, Cunha afirmou que a composição obedecerá à formação de blocos partidários, e não à composição dos partidos isolados.
Onze integrantes serão indicados pelo bloco pelo formado por PMDB, PP, PTB, DEM, PRB, SD, PSC, PHS, PTN, PMN, PRP, PSDC, PEN, PRTB. O bloco do PT terá direito a oito vagas, e o do PSDB, a seis. PDT e Psol terão uma vaga cada um.
O requerimento de criação da CPI foi protocolado pela oposição com 182 assinaturas (o número mínimo é 171).
Segundo o documento, a comissão vai investigar a prática de atos ilícitos e irregularidades no âmbito da Petrobras entre os anos de 2005 e 2015, relacionados a superfaturamento e gestão temerária na construção de refinarias no Brasil; à constituição de empresas subsidiárias e sociedades de propósito específico pela Petrobras com o fim de praticar atos ilícitos; ao superfaturamento e gestão temerária na construção e afretamento de navios de transporte, navios-plataforma e navios-sonda; e às irregularidades na operação da companhia Sete Brasil e na venda de ativos da Petrobras na África.