sábado, 4 de abril de 2015

Sine garante a pessoas com deficiência acesso ao mercado de trabalho

A inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, além de gerar emprego e renda, contribui para garantir dignidade a um grupo de pessoas que ainda sofre com a exclusão social. No Pará, o governo do Estado trabalha para inserir esse público no mercado, por meio do Sistema Nacional de Emprego (Sine), que funciona no Centro Integrado de Inclusão e Cidadania (Ciic), vinculado à Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho Emprego e Renda (Seaster). Uma média de 250 pessoas com deficiência é atendida por mês.
Segundo dados do Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem no Brasil mais de 45 milhões de pessoas com deficiência. Estimativas das Superintendências Regionais do Trabalho apontam que onze milhões dessas pessoas estão aptas para o trabalho. No entanto, os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho e Emprego, mostram que no Brasil havia 358.738 pessoas com deficiência contratadas até setembro de 2014. No Pará, foram contratadas 5.374 pessoas com deficiência.
Em vigor desde 1991 no Brasil, a Lei de Cotas estabelece a obrigatoriedade da contratação de pessoas com deficiência por empresas que tenham mais de 100 funcionários. Para este público, a lei tem sido fundamental para garantir o acesso a vagas no mercado de trabalho. Ainda assim, pessoas com deficiência apresentam taxas de ocupação menores que pessoas sem deficiência, principalmente considerando-se o universo de pessoas que trabalham com carteira assinada.
Segundo a gerente do Sine/ Ciic, Graça Pontes, o diferencial do trabalho é a sensibilização dos empregadores para destinarem vagas a este público. “Embora exista uma legislação que define uma cota para as empresas, o empregador procura sempre por uma pessoa com pequena deficiência, ou contrata por um período curto apenas para dizer que está cumprindo com a lei. Por isso que o nosso trabalho vai além da intermediação de vagas e passa para a conscientização e sensibilização das empresas”, destaca.
Ainda segundo Graça, o número de vagas ofertadas é grande, porém ainda falta demanda para essas vagas, seja pela falta de conhecimento de como ter acesso a esses postos de trabalho ou pelo preconceito. “Precisamos divulgar esse serviço voltado para este público assim como conscientizar a sociedade de que todos são diferentes e tem necessidades específicas, independentemente de ter deficiência ou não. Quando o profissional é respeitado na sua singularidade, ele engaja, desenvolve e entrega mais resultados”, destacou.
Em 2014, apenas no Sine/ Ciic foram ofertadas 583 vagas de emprego para pessoas com deficiência. Dessas foram ocupados 323 postos, sendo a maioria nas áreas de comércio e serviços.
Sucesso – “Conseguir um emprego para mim significou a conquista da minha dignidade e autonomia”, diz Breno do Carmo, deficiente físico e que atualmente trabalha no atendimento ao público de um hospital particular, além de fazer parte da seleção paraense de basquete para pessoas com deficiência. Esse já é o terceiro emprego de Breno, que conquistou essas vagas por intermédio do Sine. “Esse espaço foi fundamental para que eu conseguisse emprego, pois além de ter acessibilidade e um atendimento maravilhoso, eles fazem o intermédio da mão de obra de acordo com o perfil da pessoa”, destaca. Atualmente Breno está cursando engenharia mecânica na Universidade Federal do Pará (UFPA).
Para Etiene Souza, que sofreu um acidente quando tinha 9 anos de idade e ficou com uma deficiência física, a meta sempre foi estudar para conseguir um emprego. “Formei-me em administração e consegui meu primeiro emprego aos 18 anos graças ao Sine. Sei que posso contar com as pessoas que trabalham aqui, pois nunca me negaram ajuda quando precisei e sempre conseguiram empregos onde pude me encaixar bem”, diz.
Elson Aleixo tem uma deficiência física e trabalhava na parte de produção de uma fábrica. “Ainda sinto preconceito em algumas empresas que trabalhei, porém sei que quando fico desempregado tenho esse espaço que me ajuda a encontrar um novo emprego”, destaca Elson, que está em busca de uma nova vaga após passar apenas três meses na última empresa.
Para ter acesso às vagas disponibilizadas pelas empresas, a pessoa com deficiência deve cadastrar-se no Ciic, localizado na Avenida Almirante Barroso, 1.765, de segunda a sexta-feira, de 8h às 18h. É necessário apresentar documentos como carteira de trabalho, carteira de identidade, CPF, currículo, laudo médico atual, comprovante de escolaridade e de cursos (se tiver).

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Filho de Alckmin é confirmado como quinta vítima de acidente de helicóptero

Filho caçula do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, Thomaz Alckmin foi confirmado como a quinta vítima fatal do acidente de helicóptero que deixou cinco mortos, no final da tarde desta quinta-feira (02), na cidade de Carapicuíba, na Grande SP.

Thomaz Alckmin, de 31 anos, só teve seu nome confirmado entre os passageiros do acidente à noite, por volta das 22h.
Pai de duas meninas, Thomaz era amigo do piloto da aeronave da empresa Seripatri, Carlos Haroldo Isquerdo Gonçalves, 53, que também morreu no acidente. Além dos dois, foram a óbito os outros três passageiros que estavam no helicóptero: os mecânicos Paulo Henriquei Moraes, 42, Erick Martinho, 36, e Leandro Souza, 34. 

Seduc incentiva participação de escolas na Mostra Nacional de Robótica

Em preparação à Olimpíada Brasileira de Robótica, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) convida as escolas da rede estadual de ensino para a V Mostra Nacional de Robótica (MNR). A Mostra é organizada voluntariamente por professores de várias universidades brasileiras, com o objetivo de divulgar para todo o País trabalhos desenvolvidos nas escolas de Ensino Fundamental, Médio e Técnico que estejam associados à temática da robótica.
Para a coordenadora da Educação Profissional da Seduc, Mari Elisa Santos de Almeita, a MNR é uma boa oportunidade para que as escolas públicas estaduais divulguem seus trabalhos nessa área. “Nós temos no Pará 19 Escolas Técnicas, sete na Região Metropolitana de Belém e 12 no interior do Estado. Nessas unidades educacionais são incentivadas a produção científica e a pesquisa”, informou ela.
A Olimpíada Brasileira e a Mostra Nacional são abertas à participação de escolas públicas e privadas, urbanas e rurais, para alunos do Ensino Fundamental (a partir do 1º ano), Médio e Técnico. A OBR engloba as modalidades prática e teórica. A teórica consiste na realização de prova sobre a temática de robótica, em seis níveis diferentes. As provas serão realizadas na própria escola, em um único dia para todo o Brasil: 21 de agosto de 2015. Entre as atividades desenvolvidas na área da robótica estão a criação e o desenvolvimento de programas para computador.
A OBR e a MNR são eventos públicos, gratuitos e sem fim lucrativo. A participação dos alunos é voluntária, e não há obrigatoriedade de número mínimo ou máximo de participantes por escola. Em 2014, o Pará recebeu 17 medalhas de reconhecimento na modalidade teórica, entre 70 mil alunos inscritos. “Nós estamos esperando a mobilização das escolas para que participem da MNR. Não podemos perder essa oportunidade”, disse a coordenadora.
As inscrições para a Mostra Nacional de Robótica poderão ser realizadas pelo site: http://www.obr.org.br/

quinta-feira, 2 de abril de 2015

São José Liberto terá no sábado o espetáculo "Paixão de Cristo: Sal da Terra"

O anfiteatro Coliseu das Artes, no Espaço São José Liberto, será um dos palcos do espetáculo "Paixão de Cristo: Sal da Terra" no próximo sábado (4), às 16h30. A entrada é franca, e a realização é resultado de parceria entre a Casa de Cultura da Terra Firme com a Universidade do Estado do Pará (Uepa). Com dramaturgia dos atores Edmar Souza, João Moura e Vanessa Duarte, o espetáculo também traz críticas sociais, além das tradicionais cenas da Paixão, como a Santa Ceia e a resistência de Cristo perante as tentações do demônio.
Unindo várias linguagens artísticas, como dança, música e teatro, a "Paixão de Cristo" abordará, ainda, outras passagens bíblicas, como o surgimento do pecado original no Jardim do Éden, enfatizando a necessidade do plano da Paixão de Cristo para a salvação da humanidade, e o Apocalipse, com a vitória da luz sobre as trevas.
Edmar Souza é coordenador da Casa de Cultura da Terra Firme, e assina a direção do espetáculo, juntamente com Caio Bentes. As apresentações do Projeto “A Paixão de Cristo” também ocorrerão nesta quinta-feira (2), às 17 h, na Praça do Tucunduba, no bairro da Terra Firme, e no dia 10 de março, às 10 h, no hall de entrada da Reitoria da Uepa, na Rua do Una, entre Municipalidade e Avenida Pedro Álvares Cabral.
Mais informações sobre o espetáculo com Ana Telma Souza - coordenadora do Núcleo de Arte e Cultura (NAC) da Uepa: uepa.nac@gmail.com

quarta-feira, 1 de abril de 2015

'Cadeia não conserta ninguém', diz ministro sobre redução da maioridade

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta quarta-feira (1º) que a redução da maioridade penal, debatida atualmente no Congresso Nacional, não deve diminuir a violência no país. O magistrado, no entanto, considera que a eventual mudança na idade mínima para cidadãos responderem criminalmente por seus atos não contraria a Constituição.
“Não vamos dar uma esperança vã à sociedade, como se pudéssemos ter melhores dias alterando a responsabilidade penal, uma faixa etária para se ser responsável nesse campo. Cadeia não conserta ninguém”, afirmou o ministro, após participar de evento que comemorou os 207 anos da Justiça Militar, em Brasília.
Nesta terça, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara deu aval para que a proposta que reduz a maioridade penal no Brasil de 18 para 16 anos tramite no Legislativo. Com a decisão, os deputados avaliam que o texto da PEC está adequado à Constituição.
Os deputados contrários à redução argumentam que a proposta é inconstitucional porque consideram a regra dos 18 anos uma garantia individual, que, segundo a própria Constituição, é uma cláusula pétrea, isto é, uma regra que não pode ser mudada pelo Congresso.
Parlamentares do PT pretendem apresentar uma ação ao STF para impedir a tramitação da proposta no parlamento, usando a tese de que a Constituição também impede que seja “objeto de deliberação” proposta tendente a abolir direitos e garantias individuais. Embora tenha dito que, a priori, não considera a proposta de redução da maioridade inconstitucional, Marco Aurélio Mello observou que, no futuro, pode vir a reconsiderar a opinião.
Finalizada a análise na CCJ da Câmara, a PEC passará agora por uma comissão especial. Se aprovada, ainda precisa de, no mínimo, 308 votos, do total de 513 deputados em dois turnos de votação. Depoiproposta precisa passar pela CCJ do Senado e mais duas votações no plenário, onde são exigidos 49 votos entre os 81 senadores.
A PEC que reduz a maioridade penal foi apresentada em agosto de 1993 e ficou mais de 21 anos parada. Neste ano, a CCJ da Câmara retomou as discussões, encerradas nesta terça, após várias tentativas de adiamento por parlamentares contrários, em minoria na comissão.