quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Parauapebas: A carta de despedida de Marco Atílio para Valmir da Integral

A carta de despedida de Marco Atílio para Valmir da Integral
Resultado de imagem para valmir da integral
Valmir da Inetgral
Carta aberta ao prefeito Valmir da Integral

Caro Valmir:

Não vou dizer que lamento por seu fracasso, porque não lamento.

Considero o Senhor um exemplo, uma referência, referência a tudo aquilo que um governante ou gestor jamais deveria ser.

Já no século XVI, em O Príncipe, Maquiavel alertava para o risco de um governante se cercar de aduladores. Estes dizem apenas aquilo que se quer ouvir, e não o que se precisa ouvir.

Bajuladores fazem o governante ter uma visão envaidecida e deformada da realidade.

E foi exatamente o erro que o Senhor cometeu em pleno século XXI, 500 anos depois daquele alerta.

O quadro de secretários que o Senhor levou para tomar posse era formado basicamente por puxa-sacos de todas as ordens. Pessoas que não tinham a menor aptidão para o cargo, mas eram extremamente competentes na arte de lhe amaciar o ego.

Com a visão envaidecida e deformada, o Senhor foi um desastre no campo minado da política. Foram sucessivos erros, um mais grosseiro que outro e sempre reforçando a imagem de homem sem palavra e caloteiro.

Certa vez, Leonel Brizola cunhou uma frase que lhe vai bem, mas que o Senhor ignorava - "a política ama traições, mas abomina o traidor".

Valmir, por alguma razão desconhecida, o Senhor fazia questão em deixar claro que eras tu mesmo o protagonista das séries de traições que muitos sofreram. O resultado não podia ser outro, vais terminar teu mandato como uma das pessoas mais detestadas de Parauapebas.

Valmir, em vários momentos, muitos dos que te seguiam, na ânsia de justificar suas atitudes insanas, falavam que o Senhor estava dando sérios sinais de decrepitude. Era apenas uma questão de saber lidar com o problema. Falavam para termos paciência.

Eu, no entanto, o defendia. Retrucava instantaneamente. Falava que o Senhor gozava de boa saúde física e mental.

Valmir, cá entre nós, o problema do Senhor não é físico, nem mental, é mesmo de caráter.

Mas Valmir, esqueçamos tudo, não quero ficar aqui listando seus inúmeros erros, não teríamos espaço suficiente para tanto. Mesmo porque tudo já faz parte do passado.

O Senhor é um passado que não nos serve mais.

Mas há uma notícia boa, Valmir. O Senhor deu uma enorme e valorosa contribuição para o futuro da política parauapebense. Uma verdadeira lição do que nunca se deve fazer.

Antes do Senhor, muitos pensavam que para gerir uma máquina pública, bastava experiência em gestão. Pensavam que um empresário seria a pessoa certa para o cargo de prefeito.

Um certo amigo falava que Parauapebas havia passado pela fase do fundador da pátria (Faisal), do salvador da pátria (Darci) e que agora vivenciava a fase do administrador da pátria, alegremente o citava como sendo esse tal administrador.

Não é preciso fazer esforço para perceber o quanto essa sentença estava errada.

Quero terminar desejando boa sorte em sua vida de empresário.

Com um conselho mais que sincero, te digo, gratuitamente como deve ser um bom conselho: "jamais seja candidato a mais nada".

Sinceramente.

Marco Atílio